Pedagiômetro

27 de out de 2010

CNT/Sensus: Dilma tem 58,6% e Serra 41,4% dos votos válidos

Fonte: Terra
Pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta quarta-feira (27) mostra a candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, com 58,6% dos votos válidos contra 41,4% do tucano José Serra.
O levantamento mostra aumento da vantagem da petista em mais de 10 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, realizada nos dias 18 e 19 deste mês. Antes, Dilma tinha 52,8% dos votos válidos contra 47,2% de Serra: vantagem de 5,6 pontos percentuais. Agora, a diferença entre os dois chega a 17,2 pontos percentuais.
Os votos válidos desconsideram brancos e nulos, que somaram 4,7% dos 2 mil eleitores entrevistados entre os dias 23 e 25, e indecisos, que somaram 6,8%.
Considerando-se os votos totais, Dilma tem 51,9% e Serra, 36,7%. Na pesquisa anterior, divulgada semana passada, a petista tinha 46,8% contra 41,8% do tucano.
A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no TSE sob o número 37609/2010.
Rejeição
O índice de rejeição à candidata petista que era de 35,2% na pesquisa anterior, caiu para 32,5%. Serra tinha rejeição de 39,8% e agora atinge seu recorde da pesquisa CNT/Sensus, com 43%. Para o instituto, rejeições acima de 40% seriam indicativos de derrota do candidato.
Na análise do instituto, a troca mútua de acusações entre os candidatos faz o eleitor voltar seu interesse novamente para os aspectos econômicos, onde a petista levaria vantagem.

22 de out de 2010

Serra abaixo

Não há nenhuma surpresa no aumento da vantagem de Dilma sobre Serra no segundo turno das eleições.
Primeiro porque ela obteve 47% dos votos no 1° turno, ou seja, a multiplicação é muito mais fácil que a do tucano e a tarefa também é bem mais simples, basta buscar mais 3%.
Além disso, o crescimento de Marina na última semana da campanha se deu em parte pela onda de boatos e mentiras patrocinados por Serra e que conseguiu, de fato, tirar votos de Dilma. Agora, as respostas foram dadas, as questões esclarecidas e a verdade recolocada. Óbvio que aqueles que deixaram a petista para votar na verde por desconfiança tendem a migrar de volta com as questões esclarecidas.
É tudo claro e lógico, mas os tucanos resolveram lançar uma nuvem de desconfiança sobre o quadro. Quando a primeira pesquisa que apontou essa tendência, VOX POPULI (57% a 43% nos válidos), foi publicada acusaram o instituto de manipulação. Depois vieram o IBOPE e o DATAFOLHA (ambos com 56% à 44%) e confirmaram o quadro, aí silenciaram.
Ao que parece, não há ataque de bolinha de papel que consiga reverter o quadro. Dilma tem a curva ascendente em todas as pesquisas, Serra ou cai, ou mantém os mesmos números.
Não me acomodo, mas começo a crer que o quadro já estável.

21 de out de 2010

Farsa de Serra vira jogo na internet

Sensacional!!!
A tentativa do marqueting de Serra de transformá-lo em vítima virou piada mundial.
Até joguinho já fizeram.
Segue o link pra criançada crescida se divertir:
http://megaswf.com/serve/61506/

A farsa de José Serra



Fico imaginando qual será a próxima do senhor José Serra. Já tentou de tudo.
Só faltava mesmo uma encenação mais comovente como essa. Quem seria do outro lado da linha daquela ligação que recebeu durante a caminhada e logo após a "agressão"?
Em se considerando que ao desligar Serra leva a mão à cabeça, penso em duas hipóteses: 1. a ligação era da coordenação de sua campanha que lhe avisava sobre o resultado da pesquisa IBOPE em que ele cai e Dilma sobe; 2. a ligação era de seu marqueteiro que viu naquela cena uma oportunidade de seu cliente/candidato aparecer como vítima.

10 coisas que devemos fazer para garantir a derrota do Serra (e a vitória da Dilma)

Por Emir Sader

1. Contar a verdade: dizer o que foi o governo FHC e o que é o governo Lula

2. Contar a verdade: dizer o que foi o papel do Serra no governo FHC e sua passagem como trampolim pela prefeitura e pelo governo do Estado de São Paulo.

3. Contar a verdade: desfazer todas as calúnias e mentiras que a campanha do Serra espalha sobre a Dilma.

4. Contar a verdade sobre quem é a coligação que está com Serra e que gostaria de assaltar de novo o Estado brasileiro.

5. Contar a verdade: dizer o que foram as privatizações – maior escândalo da história brasileira, em que o BNDES saneava, com dinheiro público, empresas estatais e depois vendia, a preço de banana, com crédito subsidiado, a grandes empresas privadas.

6. Contar a verdade: como disse FHC, Serra foi o mais entusiasta adepto da privatização da Vale do Rio Doce, empresa líder do seu setor, vendida a preço barata, que hoje vale centenas de vezes mais.

7. Contar a verdade: o governo FHC-Serra mudou o nome da Petrobrás para tentar privatizá-la.

8. Contar a verdade: o governo FHC-Serra foi um governo dos ricos e contra os pobres, aumentou a desigualdade social no Brasil, deixou a maior parte dos trabalhadores sem contrato de trabalho, elevou o desemprego e baixou o poder aquisitivo dos salários.

9. Contar a verdade: Serra se aliou ao que de pior tem a sociedade brasileira, dos ruralistas aos evangélicos, passando pelo DEM e pelos banqueiros.

10. Contar a verdade: Serra queria acabar com a política externa soberana do Brasil e voltar a nos tornar subservientes aos EUA

POR ESSAS E POR OUTRAS MIL RAZÕES, VAMOS DERROTÁ-LO E ELEGER DILMA PRESIDENTA DO BRASIL NO DIA 31 DE OUTUBRO.

19 de out de 2010

Celso Antonio Bandeira de Mello declara apoio à Dilma


Professor Celso Antonio Bandeira de Mello, um dos juristas mais respeitados do país.

Vox Populi: Dilma tem 51%, Serra tem 39% e indecisos somam 4%

Pesquisa Vox Populi/iG divulgada nesta terça-feira mostra que a vantagem da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, em relação ao tucano José Serra aumentou para 12 pontos percentuais. Segundo o Vox Populi, Dilma tem 51% contra 39% de Serra. Na última pesquisa, realizada nos dias 10 e 11 de outubro, a vantagem era de 8 pontos (Dilma tinha 48% e Serra 40%). Os votos brancos e nulos permaneceram em 6% e os indecisos passaram de 6% para 4%.
Saiba mais
Se forem considerados apenas os votos válidos (sem os brancos, nulos e indecisos) a vantagem subiu de 8 para 14 pontos. Dilma tinha 54% e passou para 57%. Serra caiu de 46% para 43%. A margem de erro da pesquisa é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos.
A candidata do PT tem o melhor desempenho na região Nordeste, onde ganha por 65% a 28%. Já Serra leva a melhor no Sul, onde tem 50% contra 41% da petista. No Sudeste, que concentra a maior parte dos eleitores, Dilma tem 47% contra 40% do tucano.
O Vox Populi ouviu 3 mil eleitores entre os dias 15 e 17 de outubro. Os resultados, portanto, não consideram o impacto do debate realizado pela Rede TV no último domingo, nem a entrevista concedida por Dilma ao Jornal Nacional ontem à noite. A pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral com o número 36.193/10.
Recortes
Depois de toda a polêmica envolvendo temas religiosos como o aborto, Serra atingiu 44% entre os entrevistados que se declararam evangélicos. Dilma tem 42%. Entre os que se declararam ateus, Dilma vence por 49% a 36%.
Entre os católicos praticantes Dilma tem 54% contra 37% do tucano. No segmento dos católicos não praticantes a petista consegue seu melhor desempenho, 55% contra 37% de Serra.
A petista ganha em todas faixas etárias. Já no recorte que leva em conta a escolaridade dos pesquisados, Serra vence entre os que tem nível superior por 47% a 40% da petista. No eleitorado com até a 4ª série do ensino fundamental Dilma tem 55% contra 38% do tucano.
Serra também vai melhor entre o eleitorado com mais renda. Entre os que declararam ganhar mais de cinco salários mínimos, ele tem 44% contra 42% da petista. Dilma tem seu melhor desempenho entre os mais pobres, que ganham até um salário mínimo, 61% a 31%.
Embora seja mulher Dilma tem índices melhores entre os homens. Conforme o levantamento ela tem 54% contra 38% de Serra no eleitorado masculino e 48% contra 40% do tucano no eleitorado feminino.
No recorte que leva em consideração a cor da pela Dilma atinge 59% entre os entrevistados que se declararam negros contra 29% de Serra. Entre os brancos, a petista tem 45% contra 44% do tucano.
Segundo o Vox Populi, 89% dos entrevistados disseram estar decididos enquanto 9% admitiram que ainda podem mudar de ideia. Entre os eleitores de Dilma a consolidação do voto é maior, 93%. No eleitorado de Serra, 89% disseram que estão decididos.

Fonte: IG

18 de out de 2010

Os falsos panfletos que atacam Dilma

Em hipótese alguma deve-se admitir o "vale-tudo" eleitoral.
Há algumas semanas, quando a onda de boatos mentirosos contra a candidatura de Dilma começou a tomar corpo, não foram poucos os que alertaram para o perigo que isso significava para a democracia. Chegou-se a comparar o ambiente criado com o da época que antecedeu ao golpe de 64.
Serra, com sua cara de bom moço, dizia nada ter a ver com as estórias criadas.
Mas eis que no último sábado uma gráfica que produzia um dos panfletos mentirosos foi descoberta. Dois milhões de panfletos foram apreendidos pela Polícia Federal e agora se descobre que o proprietário da mesma é militante do PSDB e é parente de membro da coordenação da campanha tucana.
Vi um desses panfletos, aliás guardo um comigo. Não se trata de uma mera mentira construída habilmente, mas de um crime, mesmo.
Há assinaturas falsificadas no documento (de Bispos), ou seja, todos os limites possíveis foram superados.
Pelo bem da democracia, espero que os responsáveis por esse absurdo sejam descobertos e punidos.

Serra começa a ser descontruído

A falsa imagem que Serra tentava criar começa a ser desmontada.
Baseado em resultados de pesquisas qualitativas, o tucano vinha tentando, inclusive com algum êxito, se descolar da fama de privatista e se aproximar de demandas mais populares. Daí as promessas de aumento do salário mínimo para R$ 600,00 e de 10% aos aposentados, além do 13° aos beneficiários do Bolsa-Família.
Uma a uma, no entanto, as estórias vão sendo recontadas. Pra contribuir com o debate:

. Aumento do mínimo: Serra fala em R$ 600,00. Nem é preciso comparar o mínimo da época em que foi ministro do planejamento de FHC com o de agora. O governo Lula implantou uma política de recuperação do salário mínimo que está em curso e está funcionando. Com responsabilidade frente as contas do país e em sintonia com as necessidades do povo brasileiro.
Já Serra, em São Paulo, pagava a servidores públicos salários base abaixo do mínimo. Muito abaixo, aliás. Há casos de salários base de R$ 275,00 no estado. É claro que depois vem as gratificações, mas elas não se mantém incorporadas quando o trabalhador se aposenta ou se afasta por problemas de saúde, por exemplo. Ou seja, o Zé Promessa fala uma coisa e faz outra;

. Aumento para os aposentados: Não tenha dúvida, se eleito Serra dará com uma mão para em seguida tirar com outra. Ele já admitiu elevar a idade mínima para a aposentadoria. Assim, o impacto de tal aumento agora seria compensado logo em seguida;

. 13° para o Bolsa Família: Serra, o PSDB e o DEM sempre se colocaram contra o programa. Nesse caso vale a atenção sugerida ao item anterior. Se conceder algo assim, tirará de outra forma, como restringindo reajustes do benefício ou diminuindo seu alcance.

14 de out de 2010

Bancada petista entra com representação sobre caso Paulo Preto

Fonte: Hamilton Pereira
A Bancada do PT apresentou na tarde de quarta-feira (13/10) novas denúncias envolvendo o ex-governador de São Paulo José Serra, o ex-presidente da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.), Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, e o atual José Max Reis Alves.
As denúncias de tráfico de influência, desvio de dinheiro público e improbidade administrativa endossam a representação que os deputados petistas encaminharam no dia seguinte à Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo.
"Trata-se de uma trajetória repleta de episódios nebulosos, inclusive uma prisão em flagrante por receptação de joia roubada", disse o líder da Bancada do PT, Antônio Mentor, em referência a Paulo Vieira de Souza, acusado até pela cúpula do próprio PSDB de ter fugido com R$ 4 milhões arrecadados para a campanha eleitoral tucana.
Para o Deputado Estadual reeleito Hamilton Pereira, o caso é nebuloso. "Segundo a imprensa, Preto arrecadou dinheiro em nome da campanha tucana. Mas como era dinheiro que não seria contabilizado, o famoso Caixa 2, o partido ficou a ver navios". Para ele, é importante que a Procuradoria paulista intervenha no caso.
Favorecimento
Preto foi demitido da Dersa em 09/04/2010 - uma semana depois de o ex-governador José Serra ter deixado o cargo, para candidatar-se à Presidência. Mas em 2009, ele foi ainda acusado de favorecimento na indicação da própria filha, a advogada Priscila Arana de Souza Zahran, para o Escritório Edgard Leite Advogados Associados, que defende a Dersa e as mesmas construtoras que deveriam ser fiscalizadas pela estatal, no Tribunal de Contas da União e Tribunal de Contas do Estado.
Deputado eleito e presidente do PT Estadual, Edinho Silva, destacou o acesso a informações privilegiadas que a advogada tinha, ao atuar em um escritório que atendia empreiteiras fiscalizadas por se próprio pai. "É evidente o conflito de interesses", explicou Edinho.
As empreiteiras atendidas pelo escritório onde trabalha a filha do ex-presidente da Dersa atuaram nas principais obras viárias do Estado, como o Rodoanel, a Nova Marginal e a extensão da Avenida Jacu-Pêssego. Paulo Vieira de Souza era o responsável, por exemplo, por autorizar o pagamento a estas empreiteiras.
"O contrato mais emblemático refere-se à extensão da Avenida Jacu-Pêssego. Nós, da Bancada do PT, fomos até a Dersa, por causa das desapropriações que a obra iria provocar. Paulo Preto foi acintoso, violento e ameaçador", relatou o deputado Adriano Diogo.
Além da proximidade com Serra - que negou conhecê-lo quando foi questionado pela candidata Dilma Rousseff em debate na TV Bendeirantes --, Preto é muito ligado ao senador eleito por São Paulo, Aloysio Nunes. A filha dele, a advogada Priscila Arana, e a mãe dela, Ruth de Souza, são responsáveis por um empréstimo de R$ 300 mil a Nunes para a compra de um apartamento em Higienópolis, bairro nobre de São Paulo. O empréstimo foi pago sem juros.
A representação dos deputados petistas também pede à Procuradoria investigação sobre o atual presidente da estatal, José Max Reis Alves, que já integrava a diretoria da Dersa na gestão de Paulo Vieira de Souza e foi acusado de participar do Esquema PC Farias, a máfia que atuou durante o Governo Collor, no início da década de 90.
Outra representação
Esta é a segunda representação que a Bancada do PT envia à Justiça sobre o ‘caso Paulo Preto'. O primeiro pedido de investigação, formulado em maio de 2009, está vinculado à Operação Castelo de Areia da Polícia Federal. "Estive reunido na semana passada com o Procurador (Fernando Grella Vieira) e o caso tramita em segredo de Justiça", explicou o deputado Antônio Mentor.
No último final de semana, o ex-governador e atual candidato à Presidência da República, José Serra, tentou negar as relações com o engenheiro Paulo Preto. "Eu não sei quem é Paulo Preto", disse Serra ao ser perguntado sobre Paulo Vieira de Souza. Mas, no dia 12 de outubro, Serra saiu em defesa do ex-presidente da Dersa e disse que ele é inocente e também que já foi eleito o Engenheiro do Ano.

12 de out de 2010

Enfim, o debate eleitoral retoma seu rumo

A semana que antecedeu o 1° turno das eleições brasileiras foram inacreditavelmente pobres do ponto de vista do debate programático.
Era improvável imaginar que em 2010 fosse possível a volta das manobras da TFP contra qualquer candidatura. Pois aquela turma voltou. É só verificar a imagem que tem sido reiteradamente exibida pela mídia de Serra e sua senhora e pode-se notar ali a caricatura do antigo pessoal.
Serra escolheu uma guinada tão violenta à direita, que até o pessoal do DEM(PFL) deve ter assustado.
Fernando Henrique quando eleito Presidente pediu pra que esquecessem tudo o que ele havia escrito. Serra, implora pra que esqueçam tudo o que fez. Pede que a direita esqueça que um dia se aventurou no movimento estudantil e que a esquerda esqueça que privatizou o quanto pode quando teve o poder de decisão. Serra, que tentou ser Zé no início da campanha, ainda não encontrou "a roupa com que irá".
Mas, acabo de assistir aos programas eleitorais e somando a eles o debate da Band creio que finalmente o debate eleitoral tenha retomado seu rumo.
A hipocrisia e a boataria finalmente voltam a seu papel secundário e a comparação de modelos entre os governos FHC e Lula retornam ao centro dos debate.
Quem ganha com isso é o Brasil, pois o eleitorado terá dessa forma três semanas para melhor avaliar as duas experiências e escolher o que de melhor entender para o futuro.
Que a disputa siga assim.

8 de out de 2010

COM DILMA NO SEGUNDO TURNO PARA O BRASIL SEGUIR MUDANDO

Os resultados da eleição do dia 3 de outubro são uma grande vitória do
povo brasileiro.
Dilma Rousseff e Michel Temer obtiveram mais de 47 milhões de votos,
patamar semelhante aos de Lula nos primeiros turnos das eleições de 2002
e 2006.
Os Partidos que integram a coligação vitoriosa elegeram 11 governadores
e disputam o segundo turno em 10 outros estados.
Com mais de 350 deputados, sobre 513, entre aliados e coligados, o
próximo Governo terá a maioria da Câmara Federal. Será também
majoritário no Senado, com mais de 50 senadores. Terá, pelo menos, 734
deputados estaduais.
Estão reunidas, assim, todas as condições para a vitória definitiva em 31 de
outubro.
Para tanto, é necessário clareza política e capacidade de mobilização.
A candidatura da oposição encontra-se mergulhada em contradições.
Tentam atrair os verdes, mas não podem tirar o velho e conservador DEM
de seu palanque. Denuncia “aparelhismos”, mas já está barganhando
cargos em um possível ministério. Proclama-se democrata, mas persegue
jornalistas e censura pesquisas. Seus partidários tentam sair dessa situação
por meio de uma série de manobras que buscam confundir o debate
político nacional. Espalham mentiras e acusações infundadas
Mas o que está em jogo hoje no país é o confronto entre dois projetos.
De um lado, o Brasil do passado, da paralisia econômica, do gigantesco
endividamento interno, mas também da dívida externa e da submissão ao
FMI. O Brasil que quase foi à falência nas crises mundiais de 95, 97 e 98.
2
O Brasil de uma carga tributária que saltou de 27% para 35% do PIB. O Brasil
dos apagões, e do sucateamento da infraestrutura. O Brasil da privataria,
que torrou nossas empresas públicas por 100 bilhões de dólares e conseguiu
a proeza de dobrar nossa dívida pública. E já estão anunciando novas
privatizações, dentre elas a do Pré Sal.
O Brasil do passado, do Governo FHC, que nosso adversário integrou, é o
país que não soube enfrentar efetivamente a desigualdade social e não
tinha vergonha de afirmar que uma parte da população brasileira era
“inempregável”. Portanto, o Brasil do desemprego.
Era o Brasil do desmonte do Estado e da perseguição aos funcionários.
Era o Brasil das universidades à beira do colapso e da proibição do
Governo Federal de custear escolas técnicas.
Mas, sobretudo, era o país da desesperança, de governantes de costas
para seus vizinhos da América Latina, cabisbaixos diante das potências
estrangeiras em cujos aeroportos se humilhavam tirando os sapatos.
Em oito anos o Brasil começou a mudar. Uma grande transformação se
iniciou e deverá continuar e aprofundar-se no Governo Dilma.
O Brasil de Lula, hoje, e o de Dilma, amanhã, é e será o país do crescimento
acelerado que gera cada vez mais emprego e renda. Mas um país que
cresce porque distribui renda. Que retirou 28 milhões de homens e mulheres
da pobreza. Que possibilitou a ascensão social de 36 milhões de brasileiros.
Que criou mais de 14 milhões de empregos formais. Que expandiu o
crédito, sobretudo para os de baixa renda. Que fez crescer sete vezes os
recursos para a agricultura familiar. E que fez tudo isso sem inflação ou
ameaça dela. O Brasil de Lula e de Dilma é o país que possui uma das mais
baixas dívidas internas do mundo. Que deixou de ser devedor
internacional, passando à condição de credor. Que não é mais servo do
FMI. É o país que enfrentou com tranquilidade a mais grave crise
econômica mundial. Foi o último a sofrer seus efeitos e o primeiro a sair
dela.
Dilma continuará a reconstruir e fortalecer o Estado e a valorizar o
funcionalismo. O Brasil de Lula e de Dilma está reconstruindo
aceleradamente sua infraestrutura energética, seus portos e ferrovias. É o
Brasil do PAC. O Brasil do Pré Sal. O Brasil do Bolsa Família. É o Brasil do
Minha Casa, Minha Vida, que vai continuar enfrentando o problema da
moradia, sobretudo para as famílias de baixa renda.
3
Nosso desenvolvimento continuará sendo ambientalmente equilibrado,
como demonstram os êxitos que tivemos no combate ao desmatamento e
na construção de alternativas energéticas limpas. Manteremos essa
posição nos debates internacionais sobre a mudança do clima.
No Brasil de Lula e de Dilma foi aprovado o FUNDEB que propiciou melhoria
salarial aos professores da educação básica. É o país onde os salários dos
professores universitários tiveram considerável elevação. Onde se criaram
14 novas universidades federais e 124 extensões universitárias. Onde mais
de 700 mil estudantes carentes foram beneficiados com as bolsas de
estudo do Prouni e 214 Escolas Técnicas Federais foram criadas. Onde 40
bilhões de reais foram investidos em ciência e tecnologia. Esse Brasil
continuará a desenvolver-se porque o Governo Dilma cuidará da préescola
à pós-graduação e fará da educação de qualidade o centro de
suas preocupações. O Brasil de Dilma continuará dando proteção à
maternidade e protegendo, com políticas públicas, as mulheres da
violência doméstica. Será o Brasil que dará prosseguimento às políticas de
promoção da igualdade racial.
Os alicerces de um grande Brasil foram criados. Mais que isso, muitas das
paredes desta nova casa já estão erguidas.
A obra não vai parar.
Vamos prosseguir no esforço de dar saúde de qualidade com mais UPAS,
Samu, Brasil Sorridente, Médicos de Família.
Vamos continuar o grande trabalho de garantir a segurança de todos os
brasileiros, com repressão ao crime organizado e controle das fronteiras,
mas, sobretudo, com respeito aos direitos humanos, ações sociais e a
participação da sociedade como vêm acontecendo com as UPP.
Vamos continuar a ser um país soberano, solidário com seus vizinhos. Um
país que luta pela paz no mundo, pela democracia, pelo respeito aos
direitos humanos. Um país que luta por uma nova ordem econômica e
política mundial mais justa e equilibrada.
Os brasileiros continuarão a ter orgulho de seu país.
Mas, sobretudo, queremos aprofundar nossa democracia. A grande vitória
que a coligação PARA O BRASIL SEGUIR MUDANDO obteve nas eleições
para o Congresso Nacional permitirá que Dilma Rousseff tenha uma sólida
base de sustentação parlamentar.
4
Diferentemente do que ocorreu entre 1995 e 2002, a nova maioria no
Congresso não é resultado de acordos pós-eleitorais. Ela é o resultado da
vontade popular expressa nas urnas. Essa maioria não será instrumento
para esmagar as oposições, como no passado. Queremos um Brasil unido
em sua diversidade política, étnica, cultural e religiosa.
Por essa razão repudiamos aqueles que querem explorar cinicamente a
religiosidade do povo brasileiro para fins eleitorais. Isso é um desrespeito às
distintas confissões religiosas. Tentar introduzir o ódio entre as comunidades
religiosas é um crime. Viola as melhores tradições de tolerância do povo
brasileiro, que são admiradas em todo o mundo.
O Brasil republicano é um Estado laico que respeita todas as convicções
religiosas. Não permitiremos que nos tentem dividir.
O Brasil de Dilma, assim como o de Lula, é e será uma terra de liberdade,
onde todos poderão, sem qualquer tipo de censura, expressar suas idéias e
convicções.
Será o Brasil que se ocupará de forma prioritária das crianças e dos jovens,
abrindo-lhes as portas do futuro. Por essa razão dará ênfase à educação e
à cultura.
Mas será também um país que cuidará de seus idosos, de suas condições
de vida, de sua saúde e de sua dignidade.
Sabemos que os milhões que estiveram conosco até agora serão muitos
mais amanhã.
Para dar continuidade a essa construção iniciada em 2003 convocamos
todos os homens e mulheres deste país. A hora é de mobilização. É
importante que nas ruas, nas escolas, nas fábricas e no campo a voz da
mudança se faça ouvir mais fortemente do que a voz do atraso, da
calúnia, do preconceito, da mentira, dos privilégios.
À luta, até a vitória.

Brasília, 07 de outubro de 2010.

Coligação Para o Brasil Seguir Mudando.

7 de out de 2010

Depoimento do Professor Gabriel Chalita sobre Dilma

Hora da verdade

A campanha de Dilma sofreu, e como sofreu, no primeiro turno com uma grande ofensiva de calúnias e mentiras a respeito de sua vida, sua trajetória e de seu programa de governo.
Assim como na campanha presidencial de Obama, que também sofria ataques mentirosos em sua campanha, Dilma criou um espaço em seu site somente para desmentir a baixaria tucana.
Segue o link para a página e recomendo que seja amplamente divulgado, pelo bem da democracia.

http://www.dilma13.com.br/verdades

Retomando as ruas

Nos últimos três dias a dedicação de todos e todas tem sido na concentração de esforços para uma vitória segura de Dilma no segundo turno das eleições.
Pela executiva estadual do PT participei de duas importantes reuniões de organização na última terça-feira. Numa delas, inclusive, com a presença dos companheiros Mercadante e Marta Suplicy. Nosso candidato ao governo, aliás, tem dado um belíssimo exemplo, não parou nem pra respirar e já está coordenando as ações de campanha de Dilma para esta nova etapa no estado.
Na quarta foi a vez da reunião de organização da campanha em Sorocaba e hoje, quinta, faremos uma Plenária Regional do PT para organização das ações em cada município de nossa Macro.
Correndo tudo bem, já neste sábado teremos retomado as ruas das nossas cidades e tenho certeza que o resultado virá.
Aqui, como no resto do Brasil, elegeremos Dilma pra que o país continue no rumo certo.
À vitória!

4 de out de 2010

As eleições em Sorocaba

Que eleições foram essas? E em Sorocaba, quem faria a previsão de resultados tão apertados?
Em rápida leitura temos como principais resultados:
Presidente: Serra venceu na cidade, mas por margem pequena. Quem tirou a vitória de Dilma por aqui foi Marina que atingiu expressiva votação.
Creio que, no segundo turno, a maior parte desses votos depositados na candidata verde sejam transferidos à petista.
Quanto ao governo do estado, se dependesse apenas de Sorocaba haveria segundo turno. E creio mesmo que Mercadante venceria. Mas paciência, os institutos de pesquisa mais uma vez conseguiram fazer o eleitor crer ser impossível a vitória da oposição.
Para deputados as maiores surpresas. Para federal Renato Amary e Pannunzio ficaram fora (muito fora) e Iara também, sendo eleito apenas Jefferson Campos, que pouco representa a cidade.
Importante destacar que Iara ainda tem chances de entrar, já que terminou como segunda suplente da coligação. Caso Dilma seja eleita, no que acredito, há boas chances de Iara subir, já que dentre os eleitos pela coligação há alguns "ministeriáveis".
E para Deputado Estadual, Hamilton Pereira sagrou-se o mais votado da cidade com mais de quarenta mil votos, de um total alcançado de oitenta mil, novecentos e sessenta e três votos em todo o estado. Além dele, foram eleitos Maria Lúcia Amary e o Pastor Carlos César. Raul Marcelo está fora.
Em linhas gerais, o PSDB saiu como o grande derrotado perdendo dois mandatos que detinha e não alcançando a eleição do candidato a estadual do Prefeito, o vice Zé Ailton. Crespo também foi muito mal e teve menos votos que o Tiririca na cidade.
Já o PT saiu-se bem, reelegeu o único mandato que possuia, fez uma boa votação com Iara (que, repito, pode entrar) e com França (superou quarenta mil votos no estado).
Creio num segundo turno mais franco e espero que sem as baixarias do primeiro.
A vitória de Dilma é uma questão de tempo. Primeiro porque sua vantagem no primeiro turno foi muito grande, segundo porque a tendência agora é a da comparação franca entre os governos de Lula e de FHC e terceiro porque uma vitória de Serra levaria o país à uma condição de difícil governabilidade, já que os partidos da base de Dilma elegeram ampla maioria na Câmara dos Deputados e no Senado. Serra não teria qualquer respaldo para governar.
Em suma é isso. E parabéns ao companheiro Hamilton que conquistou seu quinto mandato. O povo sorocabano reconheu a importância de sua luta na Assembléia Legislativa.

3 de out de 2010

Dilma alcança 47% dos votos

Não é qualquer coisa chegar perto dos 47% dos votos em um primeiro turno de eleição presidencial no Brasil.
Lula, nas duas vezes em que venceu as eleições precisou de um segundo turno.
Mas então por que é que a ida ao segundo turno deixou em todos nós petistas um gosto amargo.
Digo que é pela forma como foi construída essa situação. É de se lamentar que ainda nos dias de hoje a elite se utilize dos meios de comunicação para manipular a massa e, pior, em parte alcance êxito.
Tudo, absolutamente tudo o que se poderia jogar contra Dilma foi feito. Falaram de aborto, de terrorismo, de homossexualismo, tudo, tudo e tudo. Ou, quase tudo. Só não debateram programa de governo.
E como Serra fez uma péssima campanha até aqui, a responsável pelo segundo turno foi mesmo Marina. Sinceramente preferia que a disputa agora se desse com ela. Ao menos, creio, a eleição não seria marcada por sucessivas tentativas de golpe.
O que há de positivo agora é que poderemos comparar o Brasil de hoje com o de FHC e Serra. Sem desvios, sem embaraços, sem demagogia. Pura e simplesmente colocar à mesa o que se espera para os próximos quatro anos.
De minha parte, não vou nem tirar a farda, continuo na trincheira.

1 de out de 2010

Em entrevista Lula afirma que se tivesse seguido política de FHC, país teria quebrado.

LULA: "Acabou o tempo em que a casa grande dizia o que a senzala tinha que fazer, acabou"

A agência Carta Maior postou bela entrevista do Presidente Lula, vale a pena dar uma olhada.
Clique aqui para ver a entrevista completa.

Destaquei algumas frase da entrevista e transcrevo a seguir:

"Eu me considero um homem de esquerda, e os resultados das políticas que nós fizemos são tudo o que a esquerda sonhava que fosse feito(...)"

"Este Palácio aqui não é um palácio em que só entrou príncipe e primeiro-ministro. Neste palácio entra sem-teto, entram todos os representantes das minorias, entram desempregados, entram todos os movimentos. Isto aqui virou um verdadeiro palácio do povo brasileiro (...)"


"Nós que ficávamos subordinados ao FMI, nos livramos do FMI. Nós, que não tínhamos nenhuma reserva, vamos chegar no final do ano a US$ 300 bilhões de reservas. Nós, que éramos devedores, viramos credores do FMI. E a situação do Brasil mudou radicalmente, ou seja, nós incluímos os milhões de excluídos que não eram levados em conta. Nós éramos um país de economia capitalista sem capital, sem crédito, sem investimento. Eu acho que não... Eu não me importo muito com determinadas avaliações. Quando eu comecei a minha vida política, no Sindicato, tinha gente da ultraesquerda que me chamava de agente da CIA, sobretudo o pessoal do partidão daquele tempo. Quando eu virei favorável... eu era contra a ocupação do Afeganistão pelos russos, aí, eu virei agente da CIA. Então, as pessoas ficavam querendo saber o meu perfil ideológico, então, muitas vezes, eu ia a um debate e as pessoas: “O que você é? Você é isso, é aquilo?”. Eu dizia: eu sou torneiro mecânico. “Você é comunista?”. Não, eu sou torneiro mecânico. É porque eu nunca gostei de ser muito rotulado."