Pedagiômetro

26 de mai de 2010

O homem que aniversaria duas vezes

Por Rui Albuquerque

Primeiro de abril de 2002. Ele passou manhã e tarde numa reunião sobre planejamento estratégico no PT (Partido dos Trabalhadores) em Sorocaba. Depois, foi curtir os filhos. Estava sentado no sofá vendo televisão quando apagou. Acordou no hospital Albert Einstein em São Paulo. Havia sofrido um acidente vascular cerebral hemorrágico. Foi operado pelo dr. Marcos Stavalli, que havia regressado naquela semana dos Estados Unidos, onde se especializara em cirurgias cerebrais. E recebeu uma boa notícia: “Deputado Hamilton Pereira, o que aconteceu foi um milagre. Acidentes como esse geralmente causam a morte, mas o senhor se recuperará e terá vida plena. Lembre-se em comemorar seu aniversário em mais uma data: 2 de abril, o dia em que o senhor renasceu”.
Hamilton Pereira, deputado estadual, vai comemorar 56 anos no próximo dia 8 de julho. Comenta feliz o dia em que recebeu o “grande milagre”. Quando acordou, estavam ao seu redor os deputados médicos Roberto Gouveia, do PT e Valter Feldmann, do PSDB, além da equipe médica do doutor Stavalli. Nela, um sorocabano, o dr. Francisco Carlos de Andrade Filho.
(Abro parêntesis aqui: Francisco é filho do cardiologista Francisco Carlos de Andrade, que Sorocaba conhece como doutor Neto ou Netinho. Desde que nasceu era chamado de Neto pela família. “Há alguns anos, acrescentou em cartório o Neto em seu nome até por questão de marketing”, lembra o amigo Nilson Costa, dentista e humorista. Nilson entrou no jardim de infância aos 3 anos, junto com Neto. Sempre foram ligados. E brinca: “O Neto foi grande pivô no basquetebol sorocabano e tinha o apelido de Fuminho. Ele nunca fumou maconha, mas era moreninho... O seu irmão caçula, Marco Antonio de Andrade, médico ortopedista e grande atleta na juventude, ganhou o apelido de Furacão porque era um baixinho agitado, que deixava os adversários vendo brisa...”)
Voltando ao Hamilton, ele mora há anos num pequeno condomínio do Jardim São Guilherme. Não tinha posses para arcar com o custo do “Albert Einstein”: R$ 100 mil. Porém, os líderes dos partidos na Assembleia Legislativa se reuniram e pediram aos 94 deputados que autorizassem o desconto de 50 reais mensais, durante doze meses, em seus salários para ajudar o pagamento. 88 aderiram. Ainda, Luiz Inácio Lula da Silva veio a Sorocaba para participar de um jantar pró Hamilton Pereira, no Sorocaba Park Hotel, com adesão de mil reais por pessoa. Assim a conta foi paga.
Aí é que entra o melhor da história: Hamilton Pereira sempre foi combativo e, na Assembleia Legislativa, alguns debates pegam fogo. Muitos parlamentares chegam a se tornar inimigos, devido troca de ofensas. Como atuante do PT, ele viveu momentos de tensão com vários adversários. Ao voltar à Assembleia, ocupou a tribuna e falou sobre humildade, gratidão e amor. Agradeceu o companheirismo demonstrado por todos e chegou a derramar lágrimas pelo gesto generoso recebido, “acima de divergências pontuais ou interesses partidários”. Quanto terminou o discurso, os deputados se levantaram e o aplaudiram longamente. Foi momento marcante e inesquecível naquela casa de leis.
Passagens assim raramente são contadas pela imprensa, mesmo reportando o que existe de melhor no ser humano. Eu gosto de lembrá-las, pois todos vivemos momentos fantásticos e que tornam a vida deliciosa, valorizada, apaixonante. Conhecendo-as, aumentamos nossa confiança nas pessoas e acreditamos num futuro sempre melhor.

...

Belo texto esse do Rui. (artigo publicado no Jornal Bom Dia - Sorocaba - dia 26/05/2010)

Mercadante em Sorocaba

25 de mai de 2010

Ruby é advertido

Acho que, desta vez, a Comissão de Ética da Câmara de Sorocaba acertou na dose. Por mais que esta opinião possa parecer contrária ao que venho defendendo quanto ao baixo nível ou qualidade de alguns parlamentares da atual legislatura.
Acontece é que o erro aconteceu no caso anterior, quando Ruby foi pego dirigindo em alta velocidade após ter ingerido bebida alcoólica. Naquela ocasião o parlamentar tentou a famosa carteirada pra se livrar de problemas, mas não conseguiu.
Insisto que aquele ato, na minha opinião, constituiu quebra de decoro e que o mesmo deveria ter respondido por isso.
Entretanto, cada caso é um caso. O fato de a comissão ter errado na situação anterior não justifica uma punição com excesso de rigor agora.
Ruby errou novamente. Participou de sorteio em plena audiência pública realizada na Câmara. Agora, recebe pena compatível com o ato praticado. Se reincidir, a pena deve ser mais severa.
É certo que o referido Vereador nunca teve ou terá meu voto. Mas igualmente certo é que foi legitimamente eleito. Os votos recebidos por ele valem tanto quanto o que depositei à candidatura que escolhi.
Assim é a democracia, às vezes com gosto amargo, mas ainda assim saudável.
E quanto ao caso anterior, continuo como a maioria da população sorocabana, sem engolir o fato de terem varrido a sujeira pra debaixo do tapete.

20 de mai de 2010

Vox Populi: São Paulo

O intituto Vox Populi divulgou hoje pesquisa de intenção de votos para o governo do estado de São Paulo.
Aos que pensam que Alckimin tem motivos para comemorar, um pouco de prudência.
Até agora o candidato tucano corria sozinho. Era o único candidato realmente constituído.
Pois a candidatura de Mercadante já se coloca com animador potencial.
O petista tinha 12% da intenção de votos em pesquisa anterior para o estado. Agora aparece com 19%. Já o tucano oscilou para baixo e atinge 51%.
O cenário que está se consolidando tende a tornar inveitável a ocorrência de um segundo turno.
Além dos dois principais candidatos, Celso Russomano aparece bem, com 12%.E Paulo Skaf, do PSB, e Feldman, do PV, ainda não se colocaram na briga e tendem a, juntos, alcançar cerca de 10%. Isso sem falar nos pequenos de PSOL, etc.
A tendência é mesmo de termos um segundo turno entre Alckimin e Mercadante. E a história mostra que o candidato do PSDB costuma se dar mal no "mano a mano".
A coordenação de campanha de Mercadante construiu uma agenda intensa por todo o estado tendo como objetivo alcançar o patamar de 20% até o final do mês de junho. Eis que o candidato chegou a tal patamar antes de maio acabar. E é bem provável que chegue aos 30% antes de a campanha pela TV começar.

19 de mai de 2010

Ficha Limpa: Faça você mesmo

Como o projeto aprovado ainda carrega algumas brechas, por onde candidatos podem escapar, sugiro aqui que cada um(a) faça seu próprio "julgamento" de seus candidatos.
Clicando aqui, você terá acesso ao portal da Transparência Brasil.
Lá, você poderá digitar o nome do candidato que queira consultar e terá um resumo dos processos que eventualmente responda.
Por exemplo, clique aqui pra ver o que se pode verificar do deputado Renato Amary.

Aprovado o "Ficha Limpa"

O Senado aprovou no final da tarde de hoje o projeto "Ficha Limpa" que proíbe candidaturas de políticos com condenação judicial proferida por órgão colegiado.
Há várias brechas, mas, em suma, aqueles que possuem condenações em tribunais, relacionados a crimes descritos no projeto, não poderão se candidatar.
É menos do que parece, mas já é muita coisa.

Serra continua naufragando

18 de mai de 2010

Considerações sobre a Vox Populi de maio

Animadores os números da pesquisa publicada no último final de semana, do instituto Vox Populi.
Como a imprensa, em geral, publica boas notícias sobre a candidatura de Dilma com imensa reserva, deixo aqui o link para quem quiser conhecer os resultados na íntegra.
No mais, faço algumas considerações:
1. Na estimulada, Dilma passou de 29% para 38% da intenção de votos. Serra caiu de 38% para 35%. Porém, é na espontânea que o crescimento de Dilma é mais expressivo, passou de 9% para 19%, mostrando uma consolidação importante de votos;
2. Dilma já vence Serra em quatro das cinco regiões do país. No Nordeste chega a 45% contra 22% do tucano. Até no Sudeste a petista já lidera (com empate técnico).
Apenas no Sul Serra ainda vence;
3. A rejeição de Dilma já é a menor entre os três principais candidatos;
4. A faixa etária em que há maior intenção de votos para Dilma é a de jovens entre 25 e 29 anos (41%). Serra vai melhor entre os que tem mais de 50 anos (mesmo assim perdendo);
5. Dilma também já aparece à frente em eventual segundo turno, passou de 35% para 40%, enquanto Serra despencou de 46% para 38%.

Parece mesmo que a candidatura de Serra estacionou em seu limite. Não deve oscilar nem muito pra cima, nem tanto pra baixo à partir de agora. Já Dilma, ainda muito menos conhecida que o adversário tucano, continua com espaço pra crescer. Creio na possibilidade concreta de vitória em primeiro turno.

Audiência Pública mostra deficiências na política de creches em Sorocaba

O vereador Izídio (PT) promoveu na noite de ontem uma Audiência Pública onde ocorreu importante debate sobre a situação das creches na cidade.
De todo o discutido, destaco quatro aspectos que considerei importantes e que merecem destaque:

1. Não há clareza quanto ao déficit de vagas na rede municipal. A representante da Secretaria de Educação não disse qual é, de fato, a demanda reprimida por vagas.
Izídio então recorreu a uma matemática simples, porém eficiente, considerou o registro de cerca de 660 nascimentos percebidos mensalmente na cidade, multiplicou isso por 12 e chegou a quase 8 mil nascimentos por ano. Considerou que crianças até cinco anos buscam o atendimento para chegar à conclusão de que há, em Sorocaba, cerca de 40 mil crianças em idade de creche.
Surgiu então o número oficial, do SEAD, que aponta a existência de 32 mil crianças nessa faixa etária na cidade.
Segundo a deputada Iara Bernardi, ex-representante do MEC no estado, um número razoável de vagas em creches é o equivalente a 50% disso, ou seja, Sorocaba deveria disponibilizar ao menos 16 mil vagas à sua população.
A prefeitura afirma que sua meta até 2012 é de apenas 8 mil vagas.

2. A seleção para a disponibilização de vagas é confusa, falha e preconceituosa: a resolução que dispõe sobre o assunto aponta uma espécie de escala de prioridades para o alcance de vagas. Mães que trabalham com carteira assinada passam à frente das desempregadas e há uma série de outras situações polêmicas.
O problema é que o Prefeito Vitor Lippi parte do pressuposto de que a creche é um direito da mãe e não da criança. Erro grave e com sérias consequências.

3. Falta transparência no processo de seleção: quem escolhe os contemplados com vagas é uma equipe da Prefeitura. Não há participação de representantes do Conselho Tutelar ou do Conselho de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, por exemplo.

4. A origem do problema é estrutural: Sorocaba investe naquilo que não é de sua obrigação, segundo a LDB, e deixa o que é de sua responsabilidade, como no caso das creches, em situação precária.

16 de mai de 2010

Uma chance para a paz

Impressiona a forma como se consolida a liderança de Lula em âmbito internacional.
A ida de nosso Presidente ao Irã foi vista por muitos como algo com poucas possibilidades de êxito. A direita chegou a desdenhar, chegou-se a falar prepotência de Lula em tentar alguma solução pacífica para a questão nuclear iraniana.
Obama chegou a dizer que a última esperança estava mesmo depositada na tentativa de Lula em buscar um entendimento. E mesmo assim parte da imprensa, nacional e internacional, desconfiavam da proximidade entre os governos do Brasil e do Irã.
Pois o acordo parece mesmo ter saído.
O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Ahmet Davutoglu, disse neste domingo que um acordo foi obtido entre Irã, Turquia e Brasil sobre a troca de urânio com baixo enriquecimento por combustível nuclear, decisão que pode por fim momentâneo às pressões que Estados Unidos e seus aliados contra o programa de energia nuclear do Irã.

Leia mais sobre o tema aqui.

Dilma já lidera pesquisa de intenção de voto


Tenho sido muito otimista em relação a candidatura da companheira Dilma à Presidência da República.
Confesso, porém, que nem nos momentos de maior confiança acreditei que ela pudesse liderar uma pesquisa de intenção de votos tão precocemente. Pois eis que a Vox Populi de ontem já a coloca em tal condição.
A campanha de fato ainda nem começou, há muito a ser feito e muita água pra rolar. Mas, estou com uma boa sensação quanto a perceber que o Brasil tem mesmo amadurecido. A ponto de rejeitar qualquer hipótese de retrocesso.
Em frente, até a vitória!

14 de mai de 2010

A voz do dono, o dono da voz e os donos de tudo


A capa e o conteúdo do jornal O Globo de hoje revelaram a Serra o que um dia, num único jornal do sistema, pode fazer à sua candidatura. Não que seja diferente ao que fazem dúzias de vezes com Dilma, mas foi, como dizia uma música dos anos 60, “a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar”.

Acostumado a mandar demitir repórteres com telefonemas, Serra perdeu a paciencia com “os comunistas do Dr. Roberto” do século 21. “Dos meus comunistas, cuido eu”, teria dito “o mais velho”, em plena ditadura, ao “ministro da justiça” (assim mesmo, entre aspas e em minúsculas) Armando Falcão. Embora não sejam mais comunistas e o Dr. Roberto não esteja mais aí, Serra mexeu num vespeiro, muito maior que o cada vez mais frágil jornal O Globo. Mexeu na Globo, no centro de comando da elite brasileira.

Embora a Miriam Leitão tenha ficado publicamente apatetada e se contido – a vingança, como dizia o personagem do Chico Anísio, “será maligna”. A edição do jornal impresso de hoje, que reproduzo aí ao lado, já mostra isso. A foto de um Serra que parece doente, alquebrado, sendo seguro na escada como um inválido que não se sustenta é o tipo de maldade atroz que ele, pela primeira vez, tem de encarar no jornal.

O título é de uma clareza solar. Traduzido, quer dizer: Serra, este é o Serra que queremos. Oposição, não pseudolulista. O império não quer almas pela metade, ele quer a vassalagem incondicional. Ele quer alguém que se ajoelhe em seu altar, renegue e maldiga sua fé passada e proclame sua conversão em alto e bom som, como fez FHC em 1995, ao dizer, já em seu discurso de posse, que vinha para destruir a “Era Vargas” e entregar, como nunca se entregara nem na ditadura, o Brasil aos grupos econômicos daqui e de fora.

Lá dentro do jornal, coube a Lord Merval Pereira colocar a coisa em letras explícitas: fala em ressurreição do ranzinza e de Serra ser o “centralizador” e “mais intervencionista do que Dilma”. Ao lado, seguia a ironia fotográfica, com uma grande foto de Dilma sorridente, ao lado de Antonio Palloci, o “homem de confiança” do mercado nos primeiros tempos do Governo Lula.

Serra tem sorte de que o Dr. Roberto não esteja mais aí, para não correr o risco de sofrer mais um dos “castigos” que gosta de impor aos “insolentes”: ser “demitido” com um telefonema.

Mas vai ter de fazer seus atos de contrição, ficar comportadinho e parar de achar que é alguém com direito a ter posições próprias e pessoais, mesmo que sob a fantasia que os marqueteiros lhe desenharam.

Serra tem que exorcizar de vez suas convicções do passado, sepultar o antigo Serra que pensava no papel do Estado, no desenvolvimento, que, inconformado com a morte que a traição lhe deu, brota em espasmos como o de ontem. Não se lhe exige apenas o papel de agente da direita, querem a conversão completa ao papel que assumiu. De Fausto não se queria parte, mas tudo.

Dante Aligheri escreveu na sua Divina Comédia que, nos umbrais do Inferno havia talhada uma frase: Abandona toda esperança, vós que entrais.

A gauchada, que não leu Dante, se expressa mais claramente: “não te fresqueia, guri”.

Fonte: Blog do Brizola Neto, tijolaço.com

...

Nota: Brizola Neto tem assumido posições corajosas e muito bem fundamentadas em defesa da candidatura de Dilma e do projeto democrático liderado pelo governo Lula.
Vale a pena acrescentar seu blog em sua lista dos preferidos.

12 de mai de 2010

Vereador Ruby não é causa para um Legislativo ser fraco, mas é consequência disso

Após ter sido flagrado por policiais militares dirigindo em alta velocidade e ter confessado que, antes disso, havia ingerido bebida alcoólica, o vereador Ruby enfrentou a justiça.
Hábil, preferiu firmar acordo proposto pelo representante do Ministério Público que condicionou a suspensão da ação a algumas contrapartidas do réu, entre elas, o compromisso de não frequentar bares, boates e afins durante dois anos. Feito o acordo o processo ficará suspenso por igual período e não havendo reincidência será arquivado.
A notícia despertou certo ar de satisfação na população sorocabana. Algo como uma pequena vingança, porque as pessoas não toleram a ideia de impunidade quando se trata de infração cometida por político.
De qualquer forma, creio que a questão a ser abordada é que a presença do vereador Ruby no legislativo sorocabano não é causa de seu nível sofrível. É, em verdade, consequência.
Há trinta anos sendo administrada pelo mesmo grupo político, Sorocaba acostumou-se a conviver com a política do “aos amigos tudo”.
Isso funciona como uma via de mão dupla. Em um sentido, algumas figuras que ocupam cargos públicos se utilizam de seu “prestígio” político para conseguir pequenos favores, que podem ser desde um remédio ou uma consulta mais rápida na rede pública, até a liberação facilitada de alvarás de funcionamento, como no caso que derrubou os Secretários Biazzoto e Ferrari, acusados no escândalo das propinas de postos de combustíveis. No sentido inverso, parte da população já se acostumou a essas “facilidades”.
Eis que Ruby, como tantos outros, elegeu-se sem a exata noção da atividade parlamentar. Conquistou, no entanto, legitima e democraticamente seus votos praticando essa política de amigos para amigos.
É o famoso líder comunitário que tenta parcelar a conta de água de um vizinho desamparado, ou que pede melhor sinalização em rua do bairro, etc.
Ações que qualquer cidadão poderia executar, mas que, acostumados com essa forma de “fazer política”, preferem terceirizar obrigações.
Aí o resultado é esse, uma Câmara composta pelo menos em sua metade por parlamentares que desenvolvem seus mandatos amparados no mais descarado assistencialismo.
A cereja do bolo, ou a azeitona da pizza, pra transformar tudo isso em algo muito indigesto é o corporativismo, ou pior, a prática de pequenos acordos imorais que são feitos pra que tudo seja mantido exatamente como está. Exemplo claro foi o que isentou de pena o próprio Ruby pelo mesmo caso da direção perigosa (regada a cerveja).
Há uma urgente necessidade de que os setores da sociedade que possuem influência na opinião da população, como os veículos de comunicação, entidades de classe, empresários, partidos políticos e movimentos sociais colaborem no incentivo aos debates programáticos.
A beleza da democracia, sua riqueza e seus valores não podem ser depreciados pela má conduta de alguns.
O desafio é superarmos a fase da política de amigos para amigos e avançarmos definitivamente para uma cultura política de melhor nível.

11 de mai de 2010

Sorocaba movimenta um milhão de reais por mês com o Bolsa Família

A cidade de Sorocaba tem 15 mil famílias recebendo o Bolsa Família. Isso significa a injeção de um milhão de reais por mês, movimentando a economia local. Este programa se transformou em um dos principais do governo Lula. Maior programa de transferência de renda do mundo, o Bolsa Família estabeleceu uma quebra de paradigma importante no modelo de assistência social. Até a era FHC, assistência social era basicamente dar um dinheirinho a famílias em situação de miséria e esperar que o pai não gastasse tudo em cachaça – para o pensamento conservador, pobre é sempre um descontrolado . Com o Bolsa Família, o governo Lula estabeleceu diferenciais importantes que transformaram o programa em uma alavanca não apenas para o alívio da situação de desespero de milhões de famílias brasileiras, mas em um instrumento de desenvolvimento social.

O principal diferencial do Bolsa Família em relação aos programas assistenciais anteriores está em um fator simples, mas decisivo: a condicionalidade. Para receber o benefício, cada família precisa cumprir algumas condições básicas. São condições simples, como manter os filhos na escola, seguir o calendário de saúde — vacinação, pré-natal, etc –, e participar dos programas de capacitação profissional e geração de renda. Ou seja: em vez da esmola que o PSDB dava a uns meninos por aí, o Bolsa Família é um processo amplo e consequente de inclusão social.

As 15 mil famílias sorocabanas que fazem parte deste programa estão juntas com as mais de 12 milhões espalhadas pelo Brasil. Desde que começou, mais de 4 milhões já foram desligadas do Bolsa Família, porque seu nível de renda aumentou. Os números desmentem a visão conservadora – tão ao gosto do trio PSDB/DEM/PPS – que afirma que o Bolsa Família incentiva a vagabundagem. De acordo com o IBGE, 77% das famílias atendidas trabalham formal ou informalmente (entre os não beneficiados, o número cai para 73%). Mais ainda: 99,5% dos beneficiados que tinham algum tipo de ocupação não deixaram de trabalhar porque passaram a receber o Bolsa Família. Na verdade, o programa acaba incentivando o empreendedorismo, ao dar mais possibilidades aos beneficiados de gerar mais renda.

Nos três primeiros meses de 2010, Sorocaba recebeu R$ 3.123.056,00. Em janeiro foram R$ 1.149.578,00; em fevereiro, R$ 987.392,00 e em março o valor foi de R$ 986.086,00. Isso significa em média um milhão de reais por mês, cada família recebendo em torno R$ 66,00 para complementar sua renda. Este programa foi fundamental para tirar da miséria aproximadamente 30 milhões de brasileiros. Com tudo isso, ainda tem aqueles que atacam o programa sem levar em consideração os benefícios que significa às famílias e ao pais.
Na crise que assolou o mundo, o governo brasileiro -- ao tomar medidas para combatê-la --, não teve dúvidas em relação aos programas sociais. Eles foram mantidos. Por isso, o Bolsa Família sempre foi, é e continuará sendo o maior programa de transferência de renda do mundo e modelo para outros países. Os sorocabanos talvez desconhecessem estes números do Bolsa Família em relação a nossa cidade, mas é bom saber que cerca de 10% das nossas famílias são beneficiárias dele.

José Carlos Triniti Fernandes
Presidente do PT de Sorocaba

10 de mai de 2010

As belas praças de Sorocaba



Desde o governo Paulo Mendes o abandono de praças em Sorocaba não era tão notório.
A política tucana é muito clara quanto às suas preferências nesse sentido, naquela lógica de só limpar o caminho "por onde o padre passa".
Então as praças situadas em ruas de menor movimento ficam como a dessas fotos. Completamente abandonadas.
Quando um cidadão deixa o mato crescer em seu terreno, está sujeito (corretamente) a multa. E quando o abandono é da Prefeitura, quem fiscaliza e qual é a pena?
As fotos acima são da praça Mello Barbieri (ou Nello??? Não dá pra entender a placa), no Jardim Belmejo.

Min. da Seg. Pública defendido pelo "Imaculado" Serra

Fonte: PT/SP
O pré-candidato à presidência José Serra, defende criação de Ministério da Segurança Pública mas se omitiu até o dia 02 de abril quando foi o governador da maior capital do Brasil. Os paulistanos sofrem com a falta de segurança publica e o ex-governador fala como se nunca tivesse administrado nenhuma cidade em um programa que noticia todos os dias a violência como se os telespectadores não tivessem conhecimento sobre São Paulo.

Enquanto governador, José Serra ofereceu um dos menores salários aos Policias Militares, sendo que Alagoas, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Norte pagam mais que São Paulo. A diferença entre o salário de um soldado da PM de Brasília e São Paulo é de 130%, os índices de roubos aumentaram 18% comparada a 2008, latrocínios um aumento de 14%, o seqüestro que atinge principalmente boa parte do eleitorado do Serra teve aumento de 41,6%, vítimas de extorsões cresceu 42%.

...

Washington Romeu


Veja o texto completo aqui.

6 de mai de 2010

Ex-secretário é réu em ação de incentivo fiscal

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul
Enriquecimento ilícito, triangulação, uso do cargo para a obtenção de benesses e improbidade administrativa. A Justiça aceitou tais denúncias contra o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico, Daniel de Jesus Leite, e instaurou processo, em que ele e sócios da empresa (Skapcom) são arrolados como réus. As acusações foram apresentadas pelo Ministério Público (MP) no ano passado em consequência do decreto assinado no início de 2009 pelo prefeito Vitor Lippi (PSDB), concedendo incentivos fiscais à fábrica de escapamentos (Induskap), que oficialmente tem o pai do ex-secretário como sócio majoritário, mas que segundo o MP, beneficia o próprio ex-secretário Daniel em evidente triangulação, citação do próprio Inquérito Civil (IC). Não há data prevista para o julgamento do processo que está na fase preliminar.

Leia a matéria completa clicandoaqui.

E o pessoal da Casa Grande continua se omitindo

O escândalo mencionado na reportagem, assim como o que derrubou Biazzoto e Ferrari, ou mesmo a tolerância com os erros do Vereador Ruby possuem uma mesma origem, qual seja, a política do "aos amigos tudo, aos inimigos o rigor da lei".
É a lógica da Casa Grande.
Daniel de Jesus está sendo acusado de algo muito grave. De ter se utilizado do cargo que ocupava para a obtenção de benefícios à empresa de sua família.
E qual a reação do Prefeito? Nenhuma. Nada. Daniel deixou o cargo, não foi demitido.
Em Sorocaba tem sido assim, depois de trinta anos do mesmo grupo político administrando a cidade, a Prefeitura já não é mais o símbolo da coisa pública, mas um quintal onde amigos se encontram.

Ruby continua "detonando"

Dizem que cada povo tem os representantes que merece. Pois discordo, acho que Sorocaba merece muito mais do que alguns dos nossos representantes podem nos oferecer.
O vereador Ruby, aquele mesmo que já foi pego num "racha", logo depois de tomar uma cervejinha ou outra, volta a cena.
Resolveu sortear brindes em uma Audiência Pública realizada no Plenário da Câmara Municipal de Sorocaba.
Inacreditável!!!
Já gastei o meu tempo (e o daqueles que se dispõem a acompanhar este espaço) expondo minha opinião sobre a palhaçada do engavetamento do Processo que apurou o caso da cervejinha. Mencionei que a questão não é moralista, mas legal.
Enquanto o cidadão Ruby resolve dirigir embriagado, isso é problema dele (se por obra de Deus não machucar ou colocar em risco a vida de alguém), mas quando ele, abordado, dá a famosa "carteirada" no policial, pronto, à partir daquele segundo o cidadão veste-se de Vereador, e aí tem que agir com decoro. Não o fazendo, sujeita-se às penalidades.
Porém, três vereadores que compuseram uma comissão para apurar os fatos (eram eles: Anselmo Neto - PP, Paulo Mendes -PSDB e Geraldo Reis - PV) decidiram "abafar o caso".
Agora, deu no que deu, Ruby afronta todos os princípios possíveis ao sortear brindes em Audiência Pública.
No dito popular, esse é o famoso "sem noção".

4 de mai de 2010

Como os brucutus do PSDB operam a internet


Essa encontrei no "Conversa Afiada", do Paulo Henrique Amorin

Ficha limpa?

Há muito de hipocrisia no debate sobre o projeto que está sendo apreciado pelo Congresso e que deve impedir os candidatos que possuam condenação transitada em julgado, ou de órgão colegiado, pela prática de determinados crimes de disputarem eleições.
Digo hipocrisia porque as bases da democracia pressupõem que uma pessoa, qualquer que seja, tenha um julgamento justo e direito a ampla defesa, e fazer barulho com o óbvio é oportunismo, uma vez que as condenções por improbidade, por exemplo, já trazem em suas sentenças a suspenção dos direitos políticos dos réus.
Bem, acho mesmo que quem praticar qualquer espécie de ato de improbidade, causar prejuízo ao erário ou coisa que o valha, não serve para ocupar cargo público, daí a importância de tal norma. Desde que não seja utilizada para pré-julgamentos.
Interessante é ver os paladinos da moral e dos bons costumes, membros do mais pomposo escalão do PSDB defendendo sua imediata aplicação. Bom, mas e como ficaria Renato Amary? Ele acaba de sofrer condenação de um órgão colegiado, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.
Seria enquadrado pelos tucanos?
Creio que para boas práticas não sejam necessárias leis que as imponham, sugiro ao PSDB, que tanto tem feito esse debate, que saiam a frente e cortem as candidaturas de seus candidatos, digamos, com ficha comprometida.

Petistas protestam contra troca de manchetes da Folha para omitir homicídios em SP

Fonte: www.pt.org.br
Parlamentares da bancada petista na Câmara manifestaram indignação com "mais uma tentativa" do jornal Folha de S.Paulo de tentar acobertar as falhas da gestão do PSDB no estado. Na edição impressa do jornal do último sábado (1º), apenas os leitores do estado de São Paulo tiveram acesso à notícia alarmante de que a taxa de homicídio na capital paulista cresceu 23% no primeiro trimestre do ano.

Isso porque, na edição que circulou no restante do país, o jornal simplesmente trocou a manchete principal optando por destacar notícia desfavorável ao Governo Lula.

No jornal que circulou nos outros 25 estados e no Distrito Federal, a manchete principal tratou do aumento de gastos do governo Federal frente à arrecadação de impostos. A edição impressa que circulou fora de São Paulo tinha duas páginas a menos.

"Isso é muito grave. Estamos falando da capital mais importante economicamente do país. Estamos em um ano político. Estão vendendo algo que não existe, que é a imagem do Serra (ex-governador José Serra) como bonzinho, omitindo informações para os leitores dos demais estados", denunciou o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP), surpreso com a artimanha do jornal.

De acordo com o parlamentar, a atitude do jornal é mais uma iniciativa da imprensa golpista do país. "O jornalismo tem que resguardar os fatos mas, infelizmente, não é assim que tem ocorrido. A Folha é um dos jornais que mais cobram do poder público e da justiça brasileira a manutenção dos direitos da imprensa. Agora temos que cobrar deles o direito de o jornal informar corretamente", reclamou.

O crescente índice de violência em São Paulo, segundo o parlamentar, é um dado fundamental para o país, já que o governador José Serra (PSDB) é um dos principais candidatos à sucessão presidencial. "Outro dia li uma reportagem onde o governador José Serra falava em criar um Ministério da Segurança. Ele não consegue controlar nem uma secretaria, quanto mais um ministério", disse.

Sorocaba: mercado de recicláveis inicia retomada, mas poderia ser melhor

O Jornal Cruzeiro do Sul de ontem traz reportagem que mostra a retomada do mercado de recicláveis na cidade de Sorocaba.
A principal cooperativa que atua no segmento, a CORESO, começa a recuperar o espaço perdido durante a crise econômica que sacudiu o mundo em 2008.
É bem verdade que no Brasil a tal crise trouxe impacto muito menor, mas ainda assim sentido por alguns setores, dentre os quais, os catadores.
Que bom que as coisas estão melhorando, mas o sofrimento desses(as) trabalhadores(as) teria sido muito menor se o Prefeito Vitor Lippi já tivesse assumido uma política séria de coleta seletiva, com a inclusão dos catadores. Tal qual a proposta elaborada pelo Vereador Izídio, do PT.